COMO DIAGNOSTICAR OU DESCOBRIR AS ALERGIAS OU PROBLEMAS PULMONARES
O MÉDICO DISPÕE DE VÁRIOS RECURSOS PARA PESQUISAR A CAUSA DO SEU PROBLEMA:

O mais importante de tudo é a sua anamnese ou história clínica.

Coleta-se aqui seus sintomas, seus antecedentes de doenças, seus antecedentes familiares, as influências do meio a que você está submetido ,o uso de medicamentos, sua dieta, seu modo de vida e as influências do ambiente de trabalho.

A seguir o médico realiza um exame físico na procura de sinais objetivos e das características do problema, faz ausculta do seu pulmão, verifica detalhes de mucosa em cavidades, procura alterações da normalidade dos tecidos, mede pressão, pulso, temperatura, etc.

Feita a hipótese diagnóstica da patologia o médico parte para a realização de exames complementares para a comprovação ou não da hipótese e tentar chegar a causa do problema

.Dentre estes exames cabe ressaltar:

1. TESTES ALÉRGICOS POR INTRADERMO REAÇÃO OU POR PUNTURA

Estes testes constam de se aplicar na pele substâncias suspeitas de causar o problema.São praticamente indolores e apresentam uma reação de vermelhidão e edema em 15 a 20 minutos e que desaparecem após 1 ou 2 horas sem deixar marcas .Têm grande valor quando se trata de antígenos ou substâncias que penetram no organismo por via inalatória e menor quando se trata de alimentos, drogas, bactérias ou vírus. (PRINCIPAIS CAUSADORES DAS ALERGIAS E COMO CONTROLAR).

2. PATCH TESTES ALÉRGICOS OU TESTES DE CONTATO

São testes de se aplicar as substâncias na pele e se deixar por 48 horas mantidas no local por artefato próprio. Retira-se após este período e se verifica a reação que também é de vermelhidão, edema e às vezes uma espécie de queimadura local. Por outras vezes, é necessário pedir ao indivíduo que se submeta a exposição de raios solares por cerca de 30 minutos,para que ocorra a reação nas próximas 24 horas e então se faz outra leitura. São testes muito eficientes e que revelam principalmente as alergias aos cosméticos,substâncias de contato,dermatites profissionais.

3. RAST, MAST, ELIZA OU TESTES IN VITRO COM ANTICORPOS MONOCLONAIS

São testes usados por laboratórios através de material coletado no sangue periférico e utilizando técnicas de detecção dos antígenos por anticorpos monoclonais, específicos para cada substância pesquisada ou por múltiplos grupos de substâncias.Têm a desvantagem de se ter que retirar sangue e não são imediatos como os testes cutâneos que são paralelos ao exame do paciente.São geralmente reservados para os casos de peles de difícil uso ou para crianças muito pequenas em que os testes cutâneos dão pouca reação ou são complicados de se executar. Estes testes embora tenham boa especificidade,não levam qualquer vantagem em relação aos testes cutâneos em relação a sensibilidade e são muito caros.

4. TESTES DE PROVOCAÇÃO

Nestes testes são usadas as substâncias suspeitas e que vão desencadear exatamente a reação que se pesquisa. Existem os de provocação inespecífica em que se usam agentes capazes de desencadear a reação com determinadas doses e que medem a sensibilidade do indivíduo e os específicos a exatamente ao que se suspeita ser a pessoa alérgica. Os testes de provocação oral são usados quando se trata de alergia alimentar e os testes de provocação nasal ou de broncoprovocação quando se trata de alergia respiratória.Consistem de se mandar ingerir ou inalar o antígeno suspeito e aguardar a manifestação.

Estes testes têm um certo risco de desencadear reações intensas e portanto reservados a profissionais habilitados a controlar estas respostas.

5. EXAMES DE FUNÇÃO RESPIRATÓRIA

Estes exames estão hoje em dia computadorizados e consistem de orientar a pessoa fazer algumas manobras respiratórias em aparelhos capazes de analisar a função normal ou alterada e transmitir ao computador que vai analisar os dados e dar resultados. Aqui o médico consegue analisar o grau do distúrbio e distinguir se é do tipo constrictivo ou restritivo. O primeiro é compatível principalmente com asma brônquica e o segundo com bronquites, enfisema pulmonar ou DPOC. Consegue ainda analisar se o distúrbio responde bem a eventual medicação e pode ainda fazer suposições futuras de evolução da patologia. Estes exames são muito usados para se estudar asma brônquica e bronquites e mesmo dar o diagnóstico correto.
Notícias
  • Diretor Médico.
  • Professor Convidado de Pós Graduação da UFMG e Santa Casa de Belo Horizonte.
  • Doutor em Imunologia pela
  • Bioquímica da UFMG.
  • Ex-presidente da Soc. Brasileira de Alergia e Imunopatologia-MG.
  • Artigos